Gestantes participam de oficina sobre Plano de Parto

No dia 22 de novembro, foi realizada uma ação voltada para as gestantes do bairro Dona Sílvia. A enfermeira Milene Rodrigues esteve à frente do encontro que serviu para esclarecer dúvidas das pacientes sobre um dos momentos mais importantes da gestação para a maioria das grávidas: o parto.

As gestantes receberam informações sobre a importância do planejamento do parto, sobre os direitos da gestante, aprenderam a identificar a hora certa de ir até a maternidade, técnicas de alívio de dor durante o trabalho de parto e por fim, o documento de plano de parto.

Para Milene Rodrigues, a oficina otimiza o cuidado com a gestante.  “A oficina do plano de parto cumpre um papel fundamental com a gestante, pois com ela, conseguimos reduzir o número de atendimentos desnecessários na maternidade por medo e falta de informação, possibilitando que os profissionais atendam com qualidade as gestantes que de fato precisam estar ali, além de coibir a violência obstétrica, pois uma vez bem informadas, as gestantes passam a lutar pelos seus direitos”, explicou.

Novo Protocolo de Pré-Natal

Em novembro, foi apresentado, a todos os profissionais envolvidos no cuidado à gestante e puérpera de Sete Lagoas, o Novo Protocolo de Pré-Natal. Desenvolvido pelos obstetras Gilton Menezes, Cíntia Oliveira e Daniela Tameirão, o documento tem como objetivo padronizar as ações de acolhimento e tratamento para gestantes na cidade. “Com essas ações, pretendemos garantir mais segurança e qualidade no atendimento às gestantes e puérperas de Sete Lagoas. E a oficina de Plano de Parto é uma forma de garantirmos que, no momento mais especial da vida da mulher, sua vontade seja respeitada”, defende a secretária de Saúde, Vanessa Lopes. O plano de parto, que é um documento no qual a gestante pode fazer escolhas sobre o trabalho de parto, é entregue para as gestantes a partir da 30º semana de gravidez.

Segundo Milene, após o acolhimento da gestante, as mesmas são direcionadas para o Pré-Natal, momento que é feita uma análise do quadro geral da paciente e de seu histórico médico, seguindo o protocolo. Nas consultas de risco habitual, que são intercaladas entre o médico (a) e o enfermeiro (a), as gestantes com até 34 semanas têm suas consultas marcadas mensalmente. Entre 34 a 38 semanas de gestação, as consultas são quinzenais e, acima de 38 semanas, semanais.

Se constatado em uma consulta de risco habitual, que pode ser avaliada por um médico clínico geral ou obstétrico, através de exames laboratoriais e ultrassom, qualquer alteração nas condições clínicas da gestante ou do feto, a paciente é orientada e encaminhada para o Centro Estadual de Atenção Especializada, o CEAE (antigo CVV), que acolhe pacientes com gravidez de alto risco.

Além de consultas e exames, as gestantes têm suas situações vacinais avaliadas para manter a vacinação em dia e, em critério obrigatório, todas elas são encaminhadas para acompanhamento odontológico. As unidades também costumam fazer grupos para encontros mensais de gestantes.

A Secretaria de Saúde tem uma parceria com o Hospital Nossa Senhora das Graças. A paciente que é cadastrada em algum ESF pode agendar, na própria unidade, uma visita para conhecer a maternidade e a Casa da Gestante no HNSG, onde todo o atendimento é feito pelo Sistema Único de Saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *