Governo de Minas Gerais anuncia selecionados para expor no Minas Trend

Governo do Estado, por meio da Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais, anunciou os selecionados para exposição no Minas Trend. Nove marcas foram escolhidas, em seleção aberta a empreendedores de todo o estado, para apresentar e comercializar suas coleções para a estação Primavera/Verão 2019 em espaços coletivos na 22ª edição do evento.

A próxima ocorre, de 17 a 20 de abril deste ano, no Expominas Belo Horizonte. A iniciativa da empresa está em sua 6ª edição e tem como objetivo dar aos produtores de moda mineiros acesso ao maior salão de negócios do país, fomentando o desenvolvimento do setor no estado.

Foram selecionados quatro representantes do setor de vestuário, três produtores de bijuterias e duas marcas de bolsas. A seleção foi feita por uma equipe curatorial, coordenada pela jornalista de moda Natália Dornellas, graduada pela London School of Fashion e colaboradora de veículos nacionais e internacionais.

Os critérios de seleção foram: originalidade e design, qualidade de produção e acabamento, capacidade produtiva, possibilidade de expansão do negócio, adequação ao público alvo, apresentação e comunicação da marca. A escolha é orientada para valorizar profissionais de diversos territórios do estado e apoiar iniciativas de maior potencial de contribuição ao desenvolvimento econômico, com geração de empregos, receitas e práticas inovadoras.

 

Minas Trend

O Minas Trend é realizado pela Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg), com parceria do Estado. Em abril de 2017, foi assinado convênio com a Fiemg no valor de R$ 3.677.500, para garantir a realização de quatro edições do evento em 2017, 2018 e 2019.

O Minas Trend é considerado o principal evento nacional de comercialização de moda, com presença de compradores renomados do País e do exterior, que o tornam um espaço privilegiado de projeção e consolidação de grifes locais.

 

Selecionados

Vestuário

  • ABA – Associação Bocaiuvense de Artesãos – estampas exclusivas, trabalho à mão e sustentabilidade são parte da identidade da ABA.
  • Rebel Heart’s – a marca produz peças de lingerie modernas, que deixam de ser somente peça íntima e ficam à mostra para compor looks.
  • Renata Coelho – grife de Nova Lima, que aposta em peças modernas dentro do conceito “slow fashion”.
  • Ca.Mar – a marca de moda praia produz maiôs e biquínis, além de saias, pantalonas e batas, que transitam da areia para o asfalto.

 

Bolsas

  • Taciana Scalon – aposta nos trançados, crochês, bordados à linha e macramê, além de cores marcantes.
  • Banzo – produz bolsas, pochetes e nécessaires a partir de referências dos anos 1990 e futuristas.

 

Bijuteria

  • Pulso – a marca de Itaúna produz acessórios para o público masculino, usando couro, metal, pedras e tecido.
  • Escalda – a marca produz semijoias com formas puras e lapidação diferenciada.
  • Anma Acessórios – da cidade de Timóteo, a marca produz bijuterias em processo artesanal e estilo minimalista.

 

Visibilidade e capacitação para o mercado

O fomento à participação das marcas no Minas Trend pretende divulgar e capacitar os produtores de moda, elevando sua expertise e competitividade.

Com esse objetivo, os nove selecionados irão participar, nesta terça-feira (3/4), de oficina com a jornalista de moda, Natália Dornellas. A jornalista irá orientá-los sobre as melhores estratégias de comunicação e redes sociais, para potencializar a visibilidade das marcas durante sua participação no salão de negócios.

 

Exemplo de sucesso

Foi o caso da Molett, marca de vestuário que expôs no estande coletivo da Codemig em abril de 2017. Na edição seguinte, em outubro de 2017, a marca apresentou sua coleção não só em estande próprio, mas também em desfile, e irá repetir a dupla participação no próximo Minas Trend.

“Começamos pequenos e sem saber o quê e como fazer para crescer, como atender o cliente. Participar dos estandes coletivos é uma oportunidade não só de ganhar um espaço, mas de ter alguém nos orientando. Isso significa amadurecimento e evolução muito significativos para a marca”, relata a estilista Bárbara Monteiro, criadora da Molett.

Além dos nove selecionados para os espaços coletivos, a Codemge irá proporcionar a participação de três marcas em estandes individuais. As marcas Candê, do setor de vestuário, Diwo do segmento de bolsas e calçados, e Fernanda Torquetti, que representou os fabricantes de acessórios, foram escolhidas entre os participantes da edição de outubro do ano passado.

 

Minas de Todas as Artes e o setor da moda

O apoio ao Minas Trend integra as ações do Minas de Todas as Artes — Programa de Incentivo à Indústria Criativa. A iniciativa estratégica busca fomentar o desenvolvimento de novos negócios que gerem empregos, renda e riquezas para o estado.

Até o fim de 2018, serão investidos mais de R$ 50 milhões em iniciativas de valorização dos setores de moda, gastronomia, audiovisual, design, música e novas mídias. A Indústria Criativa constitui a cadeia produtiva composta pelos ciclos de criação, produção e distribuição de bens e serviços que usam criatividade e capital intelectual como insumos primários.

O fomento ao setor da moda foi estabelecido como um dos investimentos prioritários da Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais a partir de um mapeamento de oportunidades de negócios feito pelo McKinsey Institute. A consultoria estudou tendências globais e dezenas de setores econômicos mineiros para apontar aqueles com maior potencial de impacto na economia do estado, com capacidade de promover aumento na massa salarial e agregação de valor. As indústrias de confecção/têxtil e calçados/bolsas foram identificadas como estratégicas para diversos territórios de desenvolvimento do estado.

A cadeia produtiva da moda oferece importante contribuição à economia. Em 2013, gerou riquezas para o estado no valor de R$ 3,3 bilhões. Os dados são de uma pesquisa encomendada pela companhia à Fundação João Pinheiro (FJP). O estudo revelou que, em 2014, os empregos do setor corresponderam a 15,2% da indústria de transformação, e a moda impulsionava a economia de 135 municípios de Minas Gerais, onde o setor tem peso maior na produção industrial do que a média do estado.

Crédito (fotos): Divulgação/Codemig

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *